"VOCÊ NÃO QUER VER, NÃO QUER ESCUTAR E MUITO MENOS FALAR"
Pesquise no blog:
Insira uma palavra-chave:
«Se VOTAR mudasse alguma coisa, o VOTO já teria sido banido.»
Emma Goldman

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Leis Naturais e Leis Estatais (REGRAS): Diferenças e necessidades

Tenho a imprenssão que você já reparou que sou crítico à leis, poder, estado e afins. Não necessariamente, há leis que existem para nós vivermos, e nós vivemos para elas existirem. É bom lembrar que lei é uma palavra inicialmente dita para ago que precisamos para viver. Isso é bem importante para o raciocínio. Há, em torno de nós, as devidas leis naturais, digo que são as que floram em nós, que vivem em convívio com nós, tais como a liberdade, igualdade, respeito, cooperativismo, apoio-mútuo, responsabilidade, etc., que sempre andam lado a lado, e é por isso que sou contra anarquistas que dizem que são totalmente contra leis. Devemos saber também que lei é diferente de regra, onde uma é nossa necessidade, e outra é algo imposto à nós por próprio humanos. Podemos dizer que as leis naturais vêm de dentro para fora, quer dizer, nós vivemos com elas, precisamos delas, e as leis estatais, as regras, leis impostas de um humano igual ao outro qualquer, vêm de fora para dentro, digo, são impostas, sem necessidade, pois já existem as naturais. Muitas vezes (se não for todas), essas regras estatais são impostas sem que haja a precisão, forçando-nos a aceitá-las, assim, irá contra a liberdade, uma lei natural. As leis estatais apenas fazem com que as leis naturais perdem valor, logo, devemos excluí-las de nossa sociedade, onde não há igualdade, liberdade, respeito, sendo um exemplo de que citei. Podemos assimiliar essa relação com o ruído de um trovão e de uma bomba. O trovão é algo natural, onde convive com nós, faz um ruído, sendo que não convive maleficamente. A bomba é produzida pela humanidade, onde vem maleficamente, justamente com o intúito de matar, impor absoluismo, imperialismo (vertentes relacionadas às leis estatais), fazendo um ruído parecido com o do trovão, logo, o que é ruim para a nossa raça, devemos excuír totalmente da nossa sociedade. Podemos então, concluir, que, apesar da coincidência do ruído, são totalmente destinados à coisas contrárias. Logo, esta relação trovão/bomba pode associar com a relação leis naturais/leis estatais(REGRAS), as leis naturais são da escência humana, vivemos com elas, elas existem para nós vivermos, e as regras estatais são leis que vêm de fora para dentro, algo desnecessário (muito até ruim) para nós, então devemos retirá-las da sociedade o mais rápido possível, para que não haja (o que há hoje em dia) a manipulação humana.
Por natureza o ser humano se baseia em leis naturais, pois elas são do instinto dele. Podemos reparar que, não precisa de alguma regra para alguém tratar o próximo com respeito quando não há conflito emocional, não precisa de regras para o ser humano ajudar, no mínimo que seja, o outro. Mas o sistema corrompe o indivíduo e faz com que ele seja competitivo, causa stress até um certo ódio, inveja, de um para outro, devido a valores inúteis, como o dinheiro e a fama.


Como, então, abolir as leis externas, sem que haja um grande impacto para com os humanos já alienados?


Educação é a base de tudo, desde a manipulação do capitalismo até a liberdade, igualdade. Não iremos impor algo aos pequenos seres-humanos, e sim ensinar as leis naturais, não regras exteriores, e sim um estilo de ensino diferenciado ao existente, que estudamos para gerar dinheiro. Não é necessário estudar para gerar dinheiro, e sim para aprender, deve ter uma base de ensino mais justa, igualitária, e incentivada, para aprenderem o bom da vida, o que não há hoje. Só aí, nessa educação de acordo com as leis naturais, as mesmas que irão proporcionar todo o luxo de ensino, a liberdade, a igualdade, dentre outras, que a sociedade abolirá as leis externas, tendo a conciência de que são desnecessárias à nossa vida.



Esta é a relação Lei natural com lei estatal, regras,
segundo Bud

2 comentários:

igor disse...

humm... cara o legal mesmo é respeito , respeito esse q vai surgindo das argumentações da dialetica e passar essas condições pro proximo se ele tiver afim. educação,autonomia e mais vivencias isso tudo cria uma boa realidade.

Paule disse...

Respeito, vem de liberdade e igualdade, outra lei natural.