"VOCÊ NÃO QUER VER, NÃO QUER ESCUTAR E MUITO MENOS FALAR"
Pesquise no blog:
Insira uma palavra-chave:
«Se VOTAR mudasse alguma coisa, o VOTO já teria sido banido.»
Emma Goldman

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Novas Invenções Para Manter Organização em Algo já Organizado


O humano cria novas tecnologias, novos conceitos, novos costumes, sempre com a intenção de manter a ordem em algo que já é, de natureza, organizado.


Leis, dinheiro, costumes, lendas, tudo inventado pelo humano, que é destinado para manter tal sociedade "organizada". Só de o humano pensar, raciocinar criticamente, desenvolver idéias, tende a ele achar que sabe o que pode e o que não pode. E, afinal, ele sabe? Eu sei? Ele sabe da real verdade da existência? O que ele sabe? Desenvolver idéias capazes de amenizar a vida, e torná-lo mais preguiçoso? Ele tanto sabe, que sempre caiu em contradição.



Pela natureza a ordem já está, já existe, já é de cada indivíduo, de cada espécie, manter a ordem na sua respectiva sociedade naturalmente. Mas o Humano vai além: Ele raciocina, ele quer ter praticidade, ele quer manter a organização de uma maneira mais fácil para ele, indo contra as leis naturais, e irá sempre cair na desordem.



Eu não sou contra o avanço tecnológico, eu sou a favor pelo motivo que, como o humano pensa, ele tem de usar o pensamento em prol dele, mas tem de pensar em que será benéfico para ele. Então, chega a confundir que, a praticidade que ele usa para manter a organização é benéfica para ele, mas o modo que ele tenta ser “prático” não passa de um pensamento preguiçoso. Temos que diferenciar a preguiça de bons meios para a sobrevivência humana. Todo indivíduo, não digo que seja preguiçoso, mas sim que fica cansado, às vezes não quer, e isso é natural, ele não é deus para ser imortal e sempre disponível, mas ele abusa, e sempre cai na preguiça.



A sociedade de hoje é fruto deste pensamento fútil humano, corroído de antecedentes, que queriam somente "organizar". Podemos reparar que reflete este pensamento nos dias de hoje, onde tem de haver governo, autoridade, dinheiro, para manter a ordem. É uma alienação total. Então vejamos: Tais conceitos foram criados pelo ser humano, conseqüentemente, pelo pensamento dele, então, ele auto-aliena, auto-corroi! Como um ser que raciocina, pode auto-corroer?



Esta resposta é prática e rápida: Isto se deve somente porque ele pensa, nada mais. Se fosse qualquer outro ser pensante, poderia cair nisto. Ele pensa, e sabe o que é mais fácil, logo, quer o mais fácil. Mas, nesse método mais fácil, o esforço tende a ser muito maior que no método natural, tal esforço cresce com o decorrer do tempo, então, hoje em dia está no seu limite, sofrendo de stress, rotina sufocada por trabalho e obrigações, etc.



Governo para manter a ordem: Tem de haver um para nos governar, para organizar a nossa tão amada sociedade (até amar a sociedade, ou pátria, o que quiser, ele ama!). Então, para ficar mais prático ao governante, criaram as câmaras, os senados, judiciário, e toda essa babozagem. Assim, seria mais prático para manter a ordem.

Leis ditadas pelo governo para garantir a ordem, onde as polícias praticam, defendem nas ruas, e a justiça defende no tribunal.



Dinheiro para organizar o fluxo comercial. Tem de haver alguma moeda para facilitar nossas trocas. Então, para garantir a segurança do meu dinheiro (pois, o outro humano pensante, que não tem o tão amado dinheiro, e vê que outro tem, alienado por este valor fútil, quer ter também, mas não consegue, e quer tomar do próximo), criaram-se as polícias.



Polícias para garantir a ordem e bem estar da sociedade amada. Para garantir minha propriedade, para garantir o respeito entre as pessoas.




Trabalho para ganhar o seu dinheiro: Trabalho, responsabilidade, para conseguir seu amado dinheiro, e comprar o que precisa por um preço justo no comércio. Comércio onde há o fluxo de dinheiro, que vira rotina, o trabalhador ganha o dinheiro do patrão, compra no comércio coisas para ele, voltando com o dinheiro ao patrão, e uma parte de imposto ao Estado, o qual, deve investir todo esse dinheiro na sociedade, para manter a ordem, saúde, educação, segurança e o lazer.




Propriedade para garantir sua moradia e tudo que você comprou com seu capital, e é garantida através da justiça do estado.



Religião, para se basear em algo sobre a real existência (o pensamento, agora, serve para que?).



Tecnologias, para o humano ter a praticidade que merece sempre ao seu dispor.



Dentre outros conceitos que foi criado pelo humano. E tudo isso para que?

O governo tende a ser corrupto, todo e qualquer poder que há, corroi o humano, assim como acontece com as polícias: autoridade, poder, abuso, corrupção.

As leis dizem que todos são iguais: mas os governantes e as polícias são autoridades; há ricos e pobres: onde está a igualdade? O tratamento com um grande rico é diferente do tratamento com um pobre, mendigo. O rico é privilegiado, enquanto o pobre é preso, é oprimido pela polícia.

O que cria esta desigualdade?

O dinheiro que servia somente para facilitar nossas trocas.

Ele define quem é certo e quem é errado, quem pode e quem não pode. O dinheiro contra a lei que diz que todos são iguais. O sistema contra o próprio sistema. Por que há tanta corrupção? Por que há abuso? Porque o dinheiro é poder, assim como o cargo de governante é poder, então, o humano que for governante se corroi transformando em mais uma vítima do sistema.

No fluxo comercial, parte do dinheiro vai ao estado para garantir tudo que já foi dito: mas, garante? Um belo exemplo, o Brasil, o estado garante a educação, saúde, segurança? A educação de base já elimina grandes despesas com a segurança, povo nasce educado, reflete como foi educado. O pobre não tem uma educação plena, porque não tem dinheiro, então, vê em uma posição abaixo do rico, e como não teve a educação, cai na vida do crime para assaltar o rico. Então, a polícia é acionada, matando e se matando com tiroteio contra “bandidos”, traficantes, etc.

O humano que queria a praticidade, agora tem de trabalhar tantas horas por semana para garantir o mínimo para sua sobrevivência, tendo que aceitar ordens do patrão, autoridade, corrupção à todo vapor, e tudo isso que é gerado.

Se a pessoa consegue “ganhar na vida”, então ela pode ter todo o luxo que estiver disponível ao seu capital. Então, começa a arrecadar propriedades para seu nome, lucros, poder, consequentemente, se corroendo, esquece que um dia foi abusada, e agora quer mais e mais luxo. É claro que não podemos generalizar, pois há pessoas que conseguem raciocinar de verdade em tal sistema corrosivo.

Para melhor trabalho, e menos salários pagos, o patrão compra tecnologia para fazer o trabalho que era para ser de uma pessoa, sendo que ele ganha lucro, e o outro ganha desemprego, fome. Tais tecnologias são para facilitar o trabalho, mas várias são poluentes, destroem o meio-ambiente, a natureza. “Grandes” homens ricos investem em aeras florestais, desmatando as matas, matando animais. E isso tudo por quê? Pelo dinheiro. Então, a lei que proíbe desmatamento é criada. Mas o dinheiro dos ricos “entra no bolso do governo”, e tal lei não é totalmente praticada.

Os meios de comunicação, a televisão, o computador, dentre outros, passam a informação, mas manipula muito o humano. Influencia o modo de viver, de pensar de muitas pessoas (para não dizer a maioria), tornando-as consumistas, cada vez mais preguiçosas, etc. Mas também manipula muitas informações, omitindo algumas, e distorcendo outras. Uma das maiores armas do sistema é a mídia.

A religião afasta o raciocínio crítico do homem, se baseando em lendas contadas por gerações e gerações. O homem não usa a razão: e sim a religião (muitos conseguiram fugir desta alienação). A religião se distorce também devido ao dinheiro, grandes igrejas são criadas, e nelas a ladroagem de dinheiro dos fies por padres/pastores é imensa.

Há muito mais motivos criados por essa “praticidade” que destroem o próprio humano.

Mas que modo prático, em? A preguiça falou mais alto, e hoje fala bem mais alto (É claro que hoje em dia não há quem quis facilitar a ordem, e sim alienados desse sistema): não quer trabalhar o tanto que tem de trabalhar para sobreviver. Mas a preguiça vai além: o humano quer viver neste sistema e não quer mudar nada, quer se ajustar nessa máquina locomotiva descontrolada: tem preguiça de mudar o próprio conceito.

2 comentários:

Bryce Dawkins disse...

Muito bom mesmo!

fez a comparação certa entre o que há de "ordem" no atual sistema...

blog muito bom, ótimos textos!

vitor disse...

Bom!

dos textos qe eu li, este foi o melhor, serio.

a preguiça tende a preguiça...

ehehe

bom mesmo, excelente