"VOCÊ NÃO QUER VER, NÃO QUER ESCUTAR E MUITO MENOS FALAR"
Pesquise no blog:
Insira uma palavra-chave:
«Se VOTAR mudasse alguma coisa, o VOTO já teria sido banido.»
Emma Goldman

domingo, 12 de outubro de 2008

Liberdade Individual, Igualdade Social

A igualdade social só é possível com a liberdade individual.


A liberdade do indivíduo é a base para uma sociedade justa, em harmonia, considerando tal liberdade concebida pela educação. Se supormos uma liberdade coletiva mais importante que a liberdade individual estaremos sendo opressores ao indivíduo, por este não possuir as mesmas necessidades e os mesmos prazeres que todos. Ora, a sociedade contemporânea é um reflexo desta idéia, consideram-se a idéia geral e não a idéia individual. "O Brasil avançou em termos de fome e miséira", ao mesmo passo em que o geral avançou, uma pessoa está morrendo neste instante em virtude do descaso individual.


Digamos que Rousseau foi o pioneiro a defender absolutamente a Idéia Geral como o meio mais viável para a justiça, sendo garantido pelo sufrágio universal e o contrato social [1]. E estou aqui para contradizê-lo: o sufrágio universal e o contrato social defendido por Rousseau são opressores e tendem à injustiça. Assim como o sufrágio universal se caracteriza por levar em conta a vontade geral, o contrato social de Rousseau baseia-se em um contrato fechado entre todos os indivíduos. A garantia da liberdade nesse contrato, afirma Rousseau, é a vontade geral decidida pelo sufrágio universal, onde todos estariam em um senso comum. Ele ainda, no seu livro O Contrato Social, despreza a liberdade individual para tratar da vontade geral. E, para garantir a vontade geral, elege-se um representante do Soberano [2], que faria tudo por todos.

Podemos dizer que nosso sistema político, "democracia representativa" é praticamente baseado nestas idéias. E, ao mesmo passo é um exemplo de que não é justo nem viável. Em pouco tempo esta idéia se distorce e torna um meio de exploração do "representante" (dos representantes, se for República) ao Soberano, através da força física e psicológica. E outra, mesmo não acontecendo isso, interferirá na liberdade individual, o que defendo desde o início do texto.


Como garantirmos a liberdade individual?


Do indivíduo pelo indivíduo.


Defendo o contrato social como meio para tal liberdade, que, uma vez aplicada esta idéia, a harmonia e igualdade social será estabelecida naturalmente.


Cada qual tem suas necessidades e suas pretensões de alcançar certo objetivo, ou em prol de si mesmo ou em prol de um coletivo, e ninguém melhor que ele mesmo para conhecer e saber administrar e guiar as suas pretensões, os seus objetivos. Logo, o mais justo será este tomar a decisão do que fará, como fará, e com quem fará, respeitando a liberdade alheia e harmonia social. Logo, pode ele tomar as decisões e o trabalho sozinho quanto pode ele se associar à outro(s) indivíduo(s) caso sinta tal necessidade de associação. Isso varia de indivíduo para indivíduo, ele associa se quiser. Naturalmente nos associamos com outras pessoas pois estas têm o mesmo objetivo ou praticamente o mesmo, e com isso sabemos que eu desenvolveria o trabalho através de um meio mais prático. Se olharmos do outro lado, o outro que se associa tem a mesma posição deste: logo, objetivos iguais, trabalho bem sucedido, mais prático, menos desgastante. Compreendendo ter os memos objetivos, um seria o, digamos, moderador do outro, e naturalmente tal contrato social seria bem sucedido.


Fechados acordos entre indivíduos de um para o outro - e somado com aqueles que não se associaram, porém vivem em harmonia da mesma maneira -, a sociedade caminha da mesma maneira, se evolui da mesma maneira, podendo até ser mais eficaz que uma obrigação geral. Todos desenvolveriam algo em prol de todos, do indivíduo para o social, partindo da liberdade individual para gerar a igualdade social, com base no respeito e na responsabilidade, gerando o trabalho e evoluindo um, evoluindo todos.


Notas:


[1] Ler O Contrato Social, Jean-Jaques Rousseau.

[2] Rousseau considera Soberano a vontade geral do povo, ou seja, o povo como um indivíduo.

2 comentários:

R. TICS disse...

Parabéns Bud! Você escreveu um ótimo texto com o cuidado de ensinar aos que ainda não conhecem a teoria e recomendar a fonte que é algo louvável pela facilidade de pesquisa e creditação do mérito aos autores. Concordo plenamente com o teu texto, se pudesse resumi-lo em uma palavra o chamaria de RESPEITO ou TOLERÂNCIA. Continue escrevendo com lucidez.
Abraço
R. TICS

Paulo Afonso disse...

Valeu!